STL não tem split – e por que isso não é importante!

Orientação a objetos é um paradigma de programação muito usado nas linguagens consideradas modernas, tais como: C++, Java, C#, entre outras… Em teoria, um código orientado a objetos pode ser facilmente reusado e entendido. Porém, eu gostaria de analisar um caso neste post. Então, vamos fazer um pequeno exercício por aqui.

Aviso: Orientação a objetos (OO) é um paradigma de programação que envolve classes e objetos, polimorfismo, herança, e uma série de outros recursos. Ter ou usar objetos não significa que seja orientado a objetos em sua plenitude. Uma das premissas da OO é que o estado interno dos objetos deve ser inacessível externamente – isso se chama encapsulamento. No entanto, encapsulamento do estado sempre é bom? Fica aí algo para pensarmos, não é mesmo?

São constantes as reclamações que C++ não tem funções básicas na STL como, por exemplo, string split. Então, vamos implementar uma por aqui.

Continuar lendo

Iterator com predicado, o que é isso?

O iterator é um objeto que aponta ou indica um elemento em uma extensão de elementos, tais como containers da STL (por exemplo: std::vector) ou um array.

A Standard Template Library (STL) possui uma boa variedade de containers ou coleções que podem armazenar elementos, onde uma das operações naturais sobre estes containers são as iterações – assim é possível percorrer ou visitar cada elemento presente. Certa vez, li uma definição do relacionamento entre os principais recursos da STL (iterators, algorithms e containers) que era algo do tipo: algorithms atuam em containers através de iterators. Esta é uma definição simplificada e válida do que chamamos de “STL-way”. Se tentar copiar elementos de um std::vector para outro std::vector, provavelmente utilizará um std::copy e passará um par de iterators (begin e end) para indicar a extensão a ser copiada, além de utilizar um outro iterator para indicar o destino:

Continuar lendo

Range against the machine

Uma característica do C++ moderno é o range-based for. Antes de falar de qualquer teoria e para que fique mais claro, segue um exemplo:

O range-based for se baseia em intervalos e iteradores.

O que é um iterador em C++ ? Grosseiramente é um ponteiro que suporte aritmética de ponteiros (Ex: p++, p+=2, p2-p1, etc).

Um intervalo é um conjunto que contém duas extremidades como elementos, o inicial e o final. Em C++, um intervalo é semi-aberto a direita, contendo os iterators [begin, end)
Continuar lendo